Rio -  Subiu para 16 o número de presos e cinco menores apreendidos durante operações realizadas nesta quinta-feira pela Polícia Militar em vários pontos do Rio. As incursões começaram no início da manhã nas comunidades Jorge Turco, em Rocha Miranda, Cajueiro, em Madureira, Juramento, em Vicente de Carvalho, Chapadão, em Costa Barros, Vila Kennedy, em Bangu, e Salgueiro, em São Gonçalo.
Participam das operações o 9º BPM (Rocha Miranda), 14º BPM (Bangu), 27º BPM (Santa Cruz), 41º BPM (Irajá), além das unidades especiais. Foram apreendidos um fuzil, uma pistola calibre 9mm, um revólver calibre 38, duas pistolas calibre 9mm, munição, umveículo, 150 litros de gasolina, 290 pedras de crack, 234 papelotes de cocaína, 1.340 cápsulas da droga, três sacolés de maconha
1.045 trouxinhas de maconha.

Policiais do Bope no Chapadão | Foto: Alessandro Costa / Agência O Dia
Policiais do Bope no Chapadão | Foto: Alessandro Costa / Agência O Dia
As ações estão relacionadas com a ocupação de dois dos principais redutos do tráfico no Rio, o Complexo de Manguinhos e a Favela do Jacarezinho, que vão finalmente ser ocupados pelas forças de segurança pública neste domingo.
A ação abrirá caminho para a instalação de Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs). A previsão é que a primeira fase da ocupação dure até o fim do ano, quando a sede da unidade deverá ser inaugurada. A Secretaria de Segurança não confirmou a operação, que pode ainda sofrer alterações. 
A retomada do território em Manguinhos e no Jacarezinho vai beneficiar mais de 70 mil pessoas, entre moradores e população que circula pela região.
Dominada pela facção criminosa Comando Vermelho (CV) há décadas, a área se tornou uma das mais perigosas do Rio, devido aos intensos confrontos armados.
Foto: Alessandro Costa / Agência O Dia
PMs caçam traficantes no Chapadão | Foto: Alessandro Costa / Agência O Dia
As favelas do Mandela e Varginha, vizinhas dos complexos, também vão ser ocupadas. Um grande aparato será usado pelas equipes das polícias Militar, Civil e Rodoviária Federal.
A operação deverá contar com apoio de veículos blindados da Marinha, além dos ‘caveirões’ das polícias e alguns helicópteros. Os equipamentos incluem blindados anfíbios e tecnologia de ponta para facilitar a comunicação entre os agentes em campo.


O aparato foi usado nas duas últimas grandes ocupações: Rocinha, em novembro, e Mangueira, em junho de 2011. O número de policiais na ação ainda não foi definido. Outros órgãos, como a Secretaria de Estado de Assistência Social e a Guarda Municipal, também participarão da ação.

A decisão do secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame, de ocupar Manguinhos foi tomada há três meses, quando 15 bandidos da favela desafiaram a polícia ao resgatar um comparsa de dentro da carceragem da 25ª DP, no Engenho Novo.


Policiais e pessoas que registravam ocorrências na unidade foram obrigados a deitar no chão, enquanto os criminosos cortavam com alicate o cadeado da cela que, durante três horas, manteve preso o traficante Diogo de Souza Feitosa, o DG.



Ele é o segundo na hierarquia do crime em Manguinhos e Mandela e continua foragido. Na época, o secretário Beltrame classificou o episódio como "inaceitável".



Um desafio para a cidade



Manguinhos e Jacarezinho representam grande desafio. Por ali, passam algumas das mais importantes vias da Zona Norte, como as avenidas Democráticos, Dom Hélder Câmara e Leopoldo Bulhões. Esta última ficou conhecida como "Faixa de Gaza", por conta dos confrontos entre a polícia e os traficantes.



Durante os últimos anos, estes acessos foram constantemente alvos de ladrões para atacar motoristas e pedestres. Outra grande preocupação da Secretaria de Segurança é que Manguinhos e Jacarezinho viraram um dos principais entrepostos de drogas do Comando Vermelho.

Foto: Arte O Dia
Arte O Dia
O comércio de entorpecentes gerou o surgimento de cracolândias em vários pontos das comunidades, alvos constantes das operações policiais e das secretarias de Assistência Social do estado e do município, que encaminham os viciados para abrigos.


Sede da UPP será instalada até o fim do ano

A comunidade deve receber a sede da unidade até o fim do ano. Outras bases avançadas serão erguidas no Jacarezinho e Mandela, em 2013, além de policiamento na comunidade Varginha, fechando o cerco da polícia naquela região.


Outro importante projeto também vai contribuir para a pacificação dos bairros vizinhos aos conjuntos de favelas: a inauguração da Cidade da Polícia, no Jacarezinho, prevista para ocorrer em abril.O complexo abrigará 32 delegacias especializadas da Polícia Civil em dez prédios, além de centros de instrução com favela cenográfica e estande de tiros, canil e carceragem para presos. O projeto custou R$ 40 milhões e por lá devem circular cerca de três mil agentes.



Em entrevista ao DIA, no final de 2011, o secretário José Mariano Beltrame deixou claro que, mesmo com a Cidade da Polícia em funcionamento, a região necessita de uma UPP.



“São áreas muito grandes. Para policiar uma região assim, só colocando os policiais lá dentro”, afirmou.